Esporotricose: conheça a doença fatal dos gatos!

Esporotricose: conheça a doença fatal dos gatos!

Conhecida também como “doença da roseira”, ela é causada por um fungo que ataca os sistemas de cães e gatos. Saiba mais sobre a esporotricose!

Seu cão ou gato está apresentando lesões cutâneas? Principalmente na cabeça e extremidades da pata? Ele pode ter sido pego pela esporotricose, uma doença provocada pelo fungo Sporothrix spp, que se não tratado, pode ser fatal a vida do pet.

A esporotricose também pode ser transmitida dos animais para os humanos, sendo considerada uma zoonose de risco. 

Vamos conhecer melhor sobre essa doença e evitar que ela atinja cães, gatos e humanos? Aproveite a leitura do blog! 

Esporotricose animal: o que é?

Ela também pode ser conhecida como “a doença da roseira”, pois o fungo causador da doença é comumente encontrado em roseiras, arbustos, musgo e solo natural em geral. A transmissão ocorre se o animal conter uma abertura ou lesão na pele. Assim, o fungo se instala e a doença começa.

A doença pode ser transmitida até mesmo por animais que não apresentam nenhum sinal da doença. Por isso, o ideal é realizar um check up mensal, já que os fungos podem ficar dentro das unhas do animal, e ele transmita a doença em uma arranhada, por exemplo.

Como a esporotricose é transmitida?

O fungo causador da esporotricose é encontrado em diversos lugares da natureza, assim como em locais com higiene e saneamento básico precário, como lixões e locais com problemas de limpeza. 

Este fungo necessita de altas temperaturas para sua proliferação, e por isso são mais comuns em regiões tropicais e temperadas, como no Brasil. 

O animal não é o único agente transmissor da doença: antigamente, os profissionais que trabalhavam em roseiras e locais da natureza costumavam se contaminar bastante, infectando-os através de uma lesão que já existia na pele ou em cortes com espinhos de rosas. 

Se o pet estiver em contato com esses locais, ou com outros animais, todo o cuidado é pouco, pois ele pode receber a doença e transmiti-la até você, o tutor dele. 

Principais sintomas da esporotricose 

A doença, que pode atingir tanto cães quanto gatos, conta com um sintoma em especial, parecidos para ambos:

  • Lesões cutâneas na pele, principalmente na cabeça e extremidades.

Em casos mais graves, o animal pode sentir febre, fraqueza e anorexia. 

O grande problema da esporotricose é que as lesões, se não tratadas, geram a inflamação do tecido (cancro esporotricótico), posteriormente afetando os órgãos internos do animal (pulmões, ossos, sistema nervoso, mucosas). 

Essas feridas possuem a característica de serem avermelhadas, em formato nodular, não coçam e não geram dor. Mas são difíceis de serem tratadas, não saram com antibióticos, pomadas e demais tratamentos convencionais. 

Já que a esporotricose atinge diversas partes do corpo do animal, ela é classifica em três tipos:

  1. Cutâneo: os sinais da doença são caracterizados por nódulos firmes;
  2. Cutâneo-linfática: a infecção progride da pele, passando a afetar agora o sistema linfático do corpo, responsável por defender o organismo e transportar líquidos linfáticos para o sistema circulatório;
  3. Disseminado: são os casos mais graves da esporotricose, onde ocorre a infecção generalizada do organismo, afetando os órgãos pulmão, mucosas, sistema nervoso, ossos, etc. 

Os felinos são os animais mais suscetíveis a contraírem a esporotricose, pela evolução da doença. 

Meu gato ou cachorro está com esporotricose, e agora? 

O diagnóstico é feito quando o médico-veterinário analisa o histórico do paciente: se ele tem acesso e contato com a natureza ou se participou de brigas de rua, por exemplo. Depois, ele poderá solicitar exames de citologia, cultura de fungos e biópsias das lesões poderão concluir o diagnóstico.

Apesar disso, este diagnóstico não é tão simples, já que a doença pode ser confundida com a leishmaniose e herpes. O médico-veterinário deve se atentar profundamente e solicitar os exames que descartem as possibilidades de esporotricose. 

Existem medicamentos eficazes contra a esporotricose, mas nem mesmo os melhores remédios podem curar os casos mais graves da doença, onde o animal já teve a infecção generalizada para seus órgãos. Por isso, em todos os blogs sobre doenças nós destacamos a importância do check up mensal e trimestral, ou a qualquer sinal de doença, assim que os sintomas forem percebidos. 

Saiba agora como tratar a esporotricose 

Se o seu pet foi diagnosticado com esporotricose, o médico-veterinário deve indicar alguns medicamentos para inibir os fungos. Administrados de forma oral ou injetável por um profissional, os antifúngicos são responsáveis por eliminar os causadores da doença.

É importante destacar que o tratamento é longo e delicado. Pode levar meses até que o animal se cure totalmente da doença. No caso das infecções secundárias, que costumam acontecer na fase cutânea-linfática, podem ser administrados também alguns antibióticos. 

Nos casos de esporotricose em gatos, animais mais delicados ao tratamento e a doença, a avaliação e prescrição de medicamentos deve ser unicamente de um profissional especializado. Nunca tente medicar seus animais por conta própria, você pode prejudicar – e muito a saúde deles.

Prevenção: como evitar a esporotricose 

Além de ser um risco de vida para os animais, a doença da roseira pode afetar os seres humanos também. Para evitar que esse contágio aconteça, existe uma série de medidas baseadas em cuidados higiênico-sanitários para reduzir o risco de transmissão. 

Saiba o que fazer nos casos de animais contaminados pela esporotricose: 

  • Isolar o animal com esporotricose até a cura total;
  • Caso ele não possa permanecer em isolamento, desinfetar o local em que o pet habita com hipoclorito de sódio. O profissional veterinário será responsável por indicar a dosagem adequada;
  • Realizar uma rigorosa assepsia após o contato do dono com o animal;
  • Afastar o animal que contraiu a esporotricose de outros animais saudáveis;
  • Utilizar equipamentos de proteção para manusear o manual. Luvas são um bom exemplo;
  • Em casos fatais, não enterre seu animal no quintal de casa. Isso pode criar um novo foco da doença. O ideal é levá-lo ao veterinário para que ele seja cremado.

A doença da roseira é perigosa para cães, humanos e principalmente gatos. Contraída através do contato com fungos que vivem na natureza, em rosas, folhas, terra etc, ela provoca pequenas erupções cutâneas que se não percebidas e não tratadas, podem se desenvolver, desencadeando em infecções generalizadas que podem atacar os ossos, sistema nervoso central, mucosa e até mesmo os pulmões dos animais.

Para os humanos, os sintomas são concentrados em lesões ulceradas com pus, feridas e caroços, tosse e falta de ar quando o fungo atinge os pulmões. 

Prevenir a esporotricose é a melhor forma de não estar suscetível a doença, colocando a sua vida e a dos seus pets em risco. 

Você já fez o check up mensal ou trimestral do seu pet? Ele é muito importante para diagnosticar doenças como a esporotricose, diferenciando ela de outras doenças como a leishmaniose, e oferecendo o tratamento adequado para que o animal tenha uma boa qualidade de vida. 

Aqui na Pets House Centro Veterinário, você realiza o check up do seu animal com segurança e muito cuidado. Temos profissionais em diversos tipos de especializações e doenças, que encontrarão o tratamento adequado ou evitarão que a doença acometa você e a sua família.

Para saber mais sobre, acesse www.petshousecentroveterinario.com.br e conheça a gente! 

Deixe uma resposta

Fechar Menu

Ainda não baixou o guia completo de vacinas para caês?